Temporal com granizo causa danos em Palmeira das Missões e região

Social
Tags

A forte chuva acompanhada de rajadas de vento desde as primeiras horas desta quarta-feira (11) vem causando transtornos em Palmeira das Missões e região, e na maioria dos casos envolvendo apenas danos materiais. A intensidade do temporal, seguido de granizo, provou a queda de árvores e danificou o telhado de uma residência no bairro Mutirão.

A queda de um pé de eucalipto nas proximidades da Ufsm interrompeu o fornecimento de energia da RGE e na Corsan. O acesso a BR 158 ficou interrompido, e já foi liberado. Os Bombeiros estiveram no local.

A central de atendimento dos Bombeiros até às 8 horas da manhã havia recebido apenas um chamado de morador, solicitando lona para a cobertura de casa no bairro Mutirão. Devido ao volume de água uma calçada e muro de uma residência cederam na rua Protásio Alves, no bairro Sugon. A faixada de uma lavagem de carros na Avenida Independência também foi danificada com a força do vento.

Continua chovendo em Palmeira das Missões. A previsão para esta quarta-feira (11) é de 70mm, conforme o site ClimaTempo. Para quinta-feira são esperados mais 33 mm, e na sexta-feira (13) mais 36mm.

Lavoura comprometida

O vento forte e o granizo também causaram estragos em pelo menos três municípios da Região Noroeste. Os principais prejuízos foram na agricultura nos pouco mais de 20 minutos de chuva intensa.

Os estragos foram registrados nas cidades de Santa Rosa, Tuparendi e Porto Mauá. O Sindicato Rural que atende a região estima estragos em mais de 800 hectares de milho, 400 de soha e 250 de trigo. Isso em um momento no qual era dado início a colheita.

Ao todo, 150 propriedades rurais foram afetadas, além de árvores que caíram perto de casas e chegaram a bloquear a ERS-344, em Porto Mauá, onde fica a travessia de balsa para a Argentina.

Uma escola no interior de Santa Rosa chegou a ser destelhada pela força do vento. Mas foram as pedras de gelo que assustaram os moradores da área rural.

Nesta quarta-feira (11) as prefeituras e sindicato rural vão seguir percorrendo essas propriedades e fazer todo o levantamento dos estragos.

Fotos: Pedro Niácome/TP/Leitor TP/ReproduçãoRBS