Publicado em: 04/12/2019

Semana da onça-pintada movimenta parque de Derrubadas

Evento abordou a preservação da onça-pintada | Foto: Dante Andres Meller / Divulgação

Várias ações que buscam valorizar e divulgar as potencialidades do Parque Estadual do Turvo, onde está situado o Salto de Yucumã, em Derrubadas, no Noroeste do Estado, vem sendo desenvolvidas pela secretaria de Indústria, Comércio e Turismo de Derrubadas. As atividades envolvem especialmente estudantes de escolas de municípios da região abrangida pela Rota do Yucumã.

Segundo a secretária de Indústria, Comércio e Turismo de Derrubadas, Angelita Bomm dos Santos, a última ação encerrou no domingo passado, em comemoração ao Dia Nacional da Onça Pintada. Ela informou que, em parceria com a secretaria de Meio Ambiente do Estado (Sema), Instituto Curicaca de Porto Alegre e Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), foram realizadas, no parque, várias atividades ligadas à importância da preservação da onça-pintada e ações relacionadas à importância da biodiversidade. “O Parque do Turvo é um dos últimos redutos da onça-pintada. Derrubadas comemora o Dia Mundial da Onça-Pintada, sendo que a data foi oficializada através da Lei Municipal 1.365 de 19 de novembro deste ano”, disse.

Angelita disse que o evento contou com atividades dentro e fora do parque e envolveu o município de Derrubadas, do Parque do Turvo, secretaria estadual de Meio Ambiente e Instituto Curicaca. “Derrubadas precisa, cada vez mais, aproveitar a oportunidade de conservação e valorização deste lugar tão precioso, voltar atenções sobre ele e promovê-lo na direção do desenvolvimento sustentável”, avalia.

Preservação e análise

O principal objetivo do projeto “Onças do Yucumã” é reduzir as ameaças à vida do felino e aos outros grandes mamíferos silvestres, através do monitoramento e análise dos perigos ao animal, do fortalecimento da fiscalização para melhorar o controle da espécie e da ampliação das políticas específicas de benefícios sociais decorrentes da conservação da natureza, ecoturismo, bem-estar, regulação do clima, acesso à água, por exemplo.

A secretaria de Indústria, Comércio e Turismo informa que neste ano, de janeiro a novembro, 1.237 alunos ingressaram no parque, de forma gratuita, através de projetos de educação ambiental, vindos de escolas de educação básica e de universidades da região e de outras partes do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. O tema educação ambiental é trabalhado, ainda, com grupos dos demais visitantes.

A secretaria informa, ainda, que neste ano, até o final de novembro, 21.692 pessoas visitaram o Parque Estadual do Turvo, número que supera todas as estatísticas anteriores. Entre os visitantes estão, além de pessoas do Brasil, turistas também da Argentina, Paraguai, Uruguai, Colômbia, Estados Unidos, Alemanha, Canadá, Áustria, Portugal, Suíça, México, Itália e Holanda.

Até o ano passado, 2018, a manutenção era feita toda pelo Rio Grande do Sul, pois é um Parque Estadual. A partir de janeiro deste ano entrou em vigência o Termo de Cooperação para Gestão Compartilhada entre Estado (RS) e município (Derrubadas). Assim, o Estado/SEMA segue sendo responsável por toda parte de fiscalização e preservação ambiental, através dos guarda-parques que atuam no local e também pelo serviço de vigilância patrimonial, visto que o patrimônio segue sendo estadual. Já o município, ficou responsável pela gestão do turismo dentro do Parque, ou seja, o atendimento, ações de educação ambiental e melhorias na infraestrutura.

Segundo a secretaria de Saúde, com os argentinos, existe um clima de cordialidade. “Não há uma parceria firmada, mas trabalhamos em conjunto em alguns aspectos, principalmente nas informações a respeito da visibilidade das quedas e na identificação dos animas, de modo especial, as onças, pois é comum que um mesmo indivíduo seja avistado nos dois parques, Parque Estadual do Turvo, no lado brasileiro, e Parque Provincial Moconá, no lado Argentino.

A secretaria de Meio Ambiente do Estado informa que o Parque Estadual do Turvo, com uma área de 174,9 quilômetros foi criado inicialmente como Reserva Florestal Estadual, no ano de 1947 e passou a categoria de parque no ano de 1954. Sua área concentra um dos maiores fragmentos da Floresta Estacional Decidual do Estado. O salto do Yucumã é um atrativo especial, com 1.800 metros de extensão e quedas d’água com até 12 metros de altura seguindo o curso do rio Uruguai, na divisa entre o Brasil e a Argentina. O salto foi formado devido a uma falha geológica que varia de 90 a 120 metros de profundidade. O “Grande Roncador”, na língua tupi-guarani, o Salto do Yucumã é uma das maiores quedas longitudinais do mundo. O parque abriga muitas espécies ameaçadas de extinção, como a onça-pintada, o puma, o cateto, a anta, o pica-pau-rei, a jacutinga e o uru. São encontradas árvores com até 30 metros de altura, destacando-se o cedro, a grápia, a canjerana e o louro. Também existem diversas espécies de peixes, répteis, anfíbios, borboletas, insetos e fungos.

Correio do Povo/Foto: Dante Andres Meller