Publicado em: 03/06/2020

Implante de Neuromodulador Sacral para tratamento de Incontinência Fecal é realizado no HSVP

Foto: Procedimento minimamente invaSIVO melhora a qualidade de vida ao paciente (Foto Assessoria de Comunicação HSVP)

Com a liberação pela Secretaria de Saúde do Rio Grande do Sul, aos poucos, o Hospital São Vicente de Paulo (HSVP) de Passo Fundo, seguindo todas as orientações e rígidas medidas de segurança aos pacientes e profissionais, vem retornando a rotina de procedimentos, visto que, muitos são essenciais para a saúde e qualidade de vida dos pacientes. No último dia 22 de maio, o Serviço Coloproctologia do HSVP, através do médico responsável pelo serviço, Dr. Milton Bergamo, também da equipe Proctoclin, juntamente com o médico Coloproctologista e Cirurgião Geral, Dr. Marcos Antonio Dal Ponte realizaram pela primeira vez em Passo Fundo um implante Neuromodulador Sacral, técnica cirúrgica minimamente invasiva para o tratamento de incontinência fecal.

Conforme Bergamo, a incontinência fecal é considerada a perda contínua ou recorrente do material fecal, ou seja, é a eliminação involuntária de fezes, e pode ocorrer em pessoas de diferentes faixas etárias. Entre as causas mais comuns estão o parto vaginal, doenças neurodegenerativas, em especial a neuropatia diabética, e cirurgias orificias, como hemorroidectomias e fissurectomias.

A neuromodulação sacral surge como tratamento para esta disfunção e consiste na estimulação elétrica contínua dos plexos sacrais, realizada com baixa voltagem, imperceptível para o paciente. “O procedimento é realizado em duas etapas. A primeira é chamada de “Fase Teste”, onde coloca-se um eletrodo junto ao nervo pudendo e o paciente vai para casa com um aparelho que fica do lado externo, denominado gerador. O paciente permanece com esse eletrodo, aproximadamente, de duas a três semanas. Durante a Fase Teste, o paciente segue com suas atividades normais. Durante este período espera-se que haja uma melhora significativa de todos os sintomas. No final dos testes, caso haja remissão completa da incontinência fecal, realiza-se a segunda fase, quando o gerador, ou seja, o neuromodulador, é implantado na região dorsal, embaixo da pele”.

A neuromodulação sacral é um procedimento minimamente invasivo que pode ser realizado sob anestesia local e que deve ser oferecido a todos os pacientes com incontinência fecal que não apresentam melhora com o tratamento clínico, conservador e ao biofeedback.

O procedimento aprovado pela ANVISA desde 2007 promove a melhora das atividades motoras de todo a assoalho pélvico e a sensibilidade retal. “A taxa de sucesso da neuromodulação sacral é em torno de 70% a 85%. Essa taxa de sucesso se mantém a longo prazo. Já os estudos de longo prazo demonstram que esses resultados iniciais permanecem por mais de cinco anos”, destaca Bérgamo sobre a melhora na qualidade de vida para os pacientes.