Publicado em: 06/10/2019

Hospital de Caridade de Santiago inaugura Unidade de Alta Complexidade em Oncologia

Divulgação / SES

O Hospital de Caridade de Santiago inaugurou nesta sexta-feira (4/10) a Unidade de Alta Complexidade em Oncologia (Unacon), com serviços de oncologia clínica e cirúrgica. A instituição agora está habilitada a realizar o tratamento dos tipos de câncer com maior prevalência como mama, ginecológico, próstata, sistema respiratório, sistema gastrointestinal e melanoma. A nova ala do hospital tem 15 leitos de quiomioterapia.

Em evento de inauguração na cidade, a secretária da Saúde, Arita Bergmann, celebrou a “grande conquista para a saúde da região”. Ressaltou que a população, a partir de agora, poderá contar com um atendimento em oncologia que traz efetivamente “respostas objetivas, com qualidade e acolhimento”.

Também esteve presente o Ministro da Cidadania Osmar Terra. “A comunidade de Santiago e região está de parabéns pelo centro de atendimento oncológico que hoje inaugura”, disse o ministro, acrescentando que “o serviço de oncologia muda a vida de uma comunidade, muda a vida das pessoas”. “Nós, do governo do Estado, estamos valorizando a regionalização da saúde. Queremos estar próximos do cidadão”, afirmou Arita. “Essa é a maior conquista dos últimos anos para Santiago e região”.

O contrato com o Sistema Único de Saúde (SUS) prevê um repasse de recursos do Ministério da Saúde, no valor de R$ 4,9 milhões por ano. Entre os serviços que o local prestará estão consulta especializada, ultrassonografia, endoscopia, anatomopatológico, biópsia, tomografia, ressonância magnética, cirurgia oncológica e quimioterapia. O Hospital de Santiago será referência no tratamento das neoplasias para outros 10 municípios da região: Cacequi, Capão do Cipó, Itacurubi, Jaguari, Jari, Mata, Nova Esperança do Sul, São Francisco de Assis, São Vicente do Sul e Unistalda.

De acordo com a prefeitura de Santigo, a nova ala do hospital tem área de 3 mil metros quadrados e a obra custou cerca de R$ 10 milhões. A estimativa é que 300 pessoas possam ser atendidas no complexo, por meio de 25 profissionais, entre médicos, enfermeiros, técnicos e pessoal de manutenção.