Publicado em: 10/01/2018

Homossexualidade na infância, como lidar com o assunto?

Anderson Cassol Dozza – Neuropsicólogo – CRP – 07/14851
Clínica Neurovasc
Locais de atendimento:
Passo Fundo – Rua Teixeira Soares 885, sala 1001, tel (54) 3622-2989/3622-2990
Palmeira das Missões – Avenida Independência. Número: 1270/ Sala:306
Centro Tel (55) 3742-4909
Frederico Westphalen – Clínica Raimed, Rua Tenente Portela 435, tel (55) 3744-3100

Eles estão presentes em várias partes e muito próximos de nós, seja no convívio familiar, no trabalho, novelas, ou mesmo na rua, os casais homossexuais já fazem parte de nossas vidas e não podemos negar. Fato que não é recente, mas muitas pessoas ainda não conseguiram aceitar.

A homossexualidade não é algo novo na sociedade. Estudos apontam que a pratica surgiu há 1,7 mil anos A.C. Na época, ninguém saia chamando a pessoa de gay, o amor entre casais do mesmo sexo era tão comum que o termo homossexual nem existia.  Os próprios gregos, com o consentimento dos pais e do filho tinham sua iniciação sexual através do homossexualismo. Por sinal a denominação surgiu em 1848, pelo psicólogo alemão Karoly Maria Benkert, quando passaram a denominar o relacionamento de pessoas do mesmo sexo como uma doença. A homossexualidade é uma construção sociocultural, que varia de país para país. É uma questão de como a população será educada para essa questão.

Considerada por muitos estudiosos como uma doença, a homossexualidade só passou a ser tratada como opção sexual no final do século passado. Muitos consideravam a opção como uma desordem mental, um desvio de comportamento, o que atualmente é considerado equivocado, tanto que não existe uma cura para algo que não é considerado transtorno.

Apesar de ser algo presente na sociedade, muitas pessoas ainda veem com preconceito a escolha de casais do mesmo sexo. Para os mais radicais a maior preocupação é com o desenvolvimento das crianças e como tratar do assunto. Uma ideia totalmente equivocada e que deve ser tratada de forma natural. Os pais precisam estar abertos para abordar o assunto, sempre respeitando a idade da criança: É importante que os pais conversem com os filhos sobre sexualidade, não escondam nada, expliquem que casais homossexuais também têm sentimentos, que não é um bicho de sete cabeças, não é anormal, e que devem ser respeitados.

Na escola a postura deve ser a mesma. Os professores não devem tratar de forma diferente meninos e meninas heterossexuais de meninos e meninas homossexuais. A escola tem um enorme papel quando o assunto é sexualidade, em que série vai ser abordado o assunto, ter a presença dos pais para discutir o tema, e à medida que os alunos vão crescendo eles acabam descobrindo o que desejam para a sua vida afetiva, destaca Dozza.

Atualmente se faz muita “tempestade” em um assunto que acaba estando presente no nosso dia-a-dia, principalmente nos meios de comunicação como televisão e internet. A novela é um exemplo desta exposição. Quando um casal de homossexuais está se beijando, eles estão demonstrando todo o seu amor, carinho e afeto, da mesma maneira quando envolve casais heterossexuais. O problema é que não se debate o assunto, parece uma forma de forçar a sociedade a achar que isso é o correto e aí entra o papel dos pais.

Outro ponto que vem sendo discutido é a adoção de crianças por parte de casais homossexuais. Muitos questionam a postura que os casais terão na criação dos filhos e de que maneira será formada a opinião dessa criança. Pesquisas realizadas pela associação Psicológica Americana, (American Psychological Association) apontam que 99,99% das crianças adotadas por homossexuais não apresentaram nenhuma mudança psicológica, física ou mental na identificação de gênero, bem pelo contrário, em alguns casos a pesquisa apontou uma relação afetiva muito melhor do que com os pais heterossexuais, aponta o neuropsicólogo.

A melhor maneira de se ter o convívio entre heterossexuais e homossexuais é através do diálogo. O preconceito está muito presente na sociedade, seja na questão sexual, religiosa ou étnica, mas é preciso que as pessoas estejam cientes de que é um assunto que deve ser discutido sem neurose, respeitando a opção de cada um.

Anderson Cassol Dozza – neuropsicólogo