Publicado em: 20/09/2019

Falta de chuva forte obriga a Creluz reduzir a produção de energia

CRELUZ

A redução da vazão de água dos rios em razão das baixas precipitações pluviométricas dos últimos dois meses, obrigou a Cooperativa de Geração de Energia e Desenvolvimento (Creluz) reduzir em 55 por cento a capacidade de geração das sete usinas instaladas em Erval Seco, Taquaruçu do Sul, Cristal do Sul, Palmeira das Missões, Novo Tiradentes, Seberi e Crissiumal. Segundo o diretor técnico da cooperativa que tem sede da área de geração em Rodeio Bonito, no Norte do Estado, Valdair Battisti, atualmente está sendo gerado aproximadamente 45 por cento da capacidade total das usinas. “Em operação plena as sete usinas hidroelétricas da Creluz geram energia suficiente para abastecer cinco mil (5 mil) famílias e diante da baixo volume de água represado nas barragens, o que é produzido atualmente garante energia para aproximadamente 2,2 mil famílias”.

Battisti disse que existe a necessidade que chove entre 80 a 100 milímetros para a recuperação do nível dos rios e garantir a volta da plena capacidade de geração das usinas localizadas em nos rios Fortaleza, Braga, Jaboticaba, Lajeado Grande. “Há mais de um mês que o baixo nível dos rios obrigou a cooperativa a diminuir o ritmo de operação das usinas”, afirmou Battisti.

O diretor técnico informou que, conforme dados do Operador Nacional do Sistema (ONS) os reservatórios da região Sul estão somente com 43,59% do nível. “De acordo com a média histórica na região sul no mês de agosto tem chovido só 29,5% da média e setembro só 23,75% por isso que os níveis estão diminuindo”, observa. nA Creluz conta com mais de 22 mil famílias associadas em atua em 33 municípios das microrregiões do Médio Uruguai e Celeiro. Com informações do Correio do Povo.