Publicado em: 15/08/2019

Cinco agroindústrias familiares serão inauguradas neste sábado na região de Frederico Westphalen

EMATER

Um roteiro organizado pela Emater/RS-Ascar neste sábado (17/08) marcará a inauguração de cinco agroindústrias familiares da região administrativa de Frederico Westphalen. Sarandi, São José das Missões, Rodeio Bonito, Vista Alegre e Iraí são os municípios onde estão localizadas agroindústrias de derivados de leite, peixe, mandioca e açúcar mascavo, que serão inauguradas neste fim de semana. O roteiro foi planejado em consonância com a agenda do secretário Estadual da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural, Covatti Filho, e do presidente da Emater/RS, Geraldo Sandri, que estarão pela região e participarão das inaugurações das agroindústrias e de outros atos nestes municípios.

Em Sarandi, antes da inauguração da agroindústria, as autoridades estarão reunidas no Tabelionato de Notas de Sarandi para assinatura de titulação de posse de terra do Assentamento Cascata. Em seguida, às 10h, será inaugurada a Agroindústria Família Federici, de derivados de leite, localizada na Linha Estancado Baixo. O casal Glaucia e Jurandir Federici trabalhou por muitos anos na indústria calçadista. Em decorrência de problemas de saúde na família, o casal resolveu retornar à Sarandi e viver na propriedade que haviam adquirido. Na época, a família procurou a Emater/RS-Ascar, buscando orientação sobre atividades que seriam viáveis para a propriedade. O casal visitou inúmeros estabelecimentos e optou por investir na atividade leiteira. Com uma produção baixa ainda no início, e que não poderia ser comercializada para a indústria, a família começou a produzir queijos. O produto de qualidade teve boa aceitação dos consumidores. Por isso, a família resolveu apostar na agroindústria de derivados de leite.

Com apoio da Emater/RS-Ascar, a família deu início ao processo de legalização, desde o planejamento da estrutura, documentação e investimentos necessários. Desde então, a família tem investido cada vez mais na atividade leiteira, com a construção de uma nova sala de ordenha, irrigação para as pastagens, além da melhoria da propriedade. A família Federici é um exemplo de superação e mostrou que, mesmo diante das dificuldades, é possível prosperar.

Durante a inauguração da Agroindústria Família Federici, serão entregues certificados para outra agroindústria do município, a Agroindústria Delícias Caseiras Brandt. Ainda em Sarandi, as autoridades farão a inauguração de um poço artesiano na comunidade Beira Campo. O ato está previsto para as 11h.

O roteiro segue até o município de São José das Missões, onde será inaugurada a Agroindústria Chaves, de derivados de mandioca, localizada na Linha Sanches, interior do município. No ato será entregue o certificado de inclusão no Programa Estadual de Agroindústria Familiar (Peaf).

A Agroindústria Chaves está em funcionamento desde setembro de 2018, com total regularidade tributária, ambiental e sanitária. Atualmente, a agroindústria processa por mês cerca de dez mil Kg de mandioca, resultando na comercialização de cinco mil Kg de mandioca descascada e congelada, além da mandioca palito. Os produtos são comercializados na região, no mercado convencional e institucional.

Na agroindústria trabalham os agricultores Ronaldo e Adenise Chaves e a filha Cassiane, além de outros familiares. A família Chaves sempre comercializou mandioca de maneira informal. Em decorrência das exigências de mercado, a família resolveu legalizar a atividade, ainda em 2017, quando procurou a Emater/RS-Ascar e obteve total apoio, desde o fomento da cultura da mandioca, nos aspectos da legalização da agroindústria, bem como nos estudos de viabilidade do empreendimento. Em 2018, a agroindústria passou a operar de maneira regular e em 2019 foi inclusa no Peaf. A expectativa da família é crescer ainda mais, buscando atender à demanda pelo produto, que tem aumentado nos últimos tempos.

A programação do roteiro será retomada à tarde, a partir das 14h, no município de Rodeio Bonito. A agroindústria Ciprandi Produtos Coloniais, que já beneficia mandioca, inaugurará o espaço onde fará o processamento de peixe. A agroindústria está localizada na Linha Santa Ana, interior de Rodeio Bonito.

A idealização da agroindústria surgiu como alternativa de geração de renda e melhoria da qualidade de vida da família, na propriedade de apenas seis hectares. A Ciprandi Produtos Coloniais está legalizada desde 2016, fazendo o processamento de mandioca. Com toda a documentação aprovada, a agroindústria passará a trabalhar também com filetagem de peixe. A agricultora Janes Jacinta Ciprandi e toda a família sempre contaram com o apoio da Emater/RS-Ascar para a realização desse sonho, presente desde a orientação, planejamento, execução do projeto e organização da comercialização.

O próximo município a ser visitado é Vista Alegre. A Agroindústria Piaia, de açúcar mascavo, localizada na Linha Piaia Centenaro Pessotto (PCP), será inaugurada a partir das 16h.

Em meados de 2016, na propriedade do agricultor Alceu Piaia, surgiu a ideia de produzir açúcar mascavo, mas, no início, de forma artesanal, o produto era comercializado na propriedade. A partir de então, a família chegou à conclusão que seria viável investir em uma agroindústria de produtos derivados da cana-de-açúcar, como o açúcar mascavo e melado. Esse projeto foi viabilizado através de recursos do Programa Nacional da Agricultura Familiar (Pronaf Mais Alimento), com o apoio técnico da Emater/RS-Ascar. A Agroindústria Piaia iniciou suas atividades na nova estrutura em outubro de 2018, com inspeção estadual, o que possibilitou a venda dos produtos para todo o Estado.

Aproveitando a visita no município de Vista Alegre, o então deputado Federal Covatti Filho, atual secretário Estadual da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural, destinou recursos para o acesso asfáltico, através de emenda parlamentar.

O último destino do roteiro é o município de Iraí. Na Linha Barra Grande será inaugurada a Favaretto Agroindústria de Produtos Coloniais, de processamento de mandioca. O processo de legalização da agroindústria iniciou em 2015. A família, formada pelos agricultores Paulo e Inês Favaretto e o filho Rodrigo, encontrou na produção e legalização da mandioca uma oportunidade de sucessão familiar. Atualmente, o filho trabalha na cidade, mas pretende voltar a morar na propriedade e trabalhar com os pais na agroindústria. Na propriedade de apenas 7,5 hectares, a família Favaretto encontrou na agroindustrialização da mandioca uma alternativa de geração de renda e viabilização da propriedade rural.